Você está aqui: Página Inicial > Noticias > Desempenho do IFCE é destaque no Pecnordeste
conteúdo

Notícias

Desempenho do IFCE é destaque no Pecnordeste

PESQUISA E INOVAÇÃO

Estudantes e professores conquistaram premiações com trabalhos em oito das nove áreas temáticas do evento
publicado: 17/06/2019 11h41, última modificação: 18/06/2019 09h02

O desempenho do Instituto Federal do Ceará no último Pecnordeste 2019 foi considerado "significativo e promissor" pelo pró-reitor de Pesquisa, Pós-graduação e Inovação, Wally Menezes, que projeta mais trabalhos dos campi aprovados em 2020. Estudantes e professores apresentaram trabalhos em oito das nove áreas temáticas do evento: bovinocultura, caprinovinocultura, equinocultura, suinocultura, apicultura, aquicultura e pesca, alimentação animal e avicultura, respondendo por 53% dos trabalhos científicos aprovados.

A opinião foi compartilhada pelo professor Messias Alves, coordenador da participação do campus do Crato no evento, que destaca o número de premiações obtidas pelo IFCE em sua estreia: "conseguimos oito premiações, sendo três primeiros lugares gerais, um segundo lugar e quatro terceiros lugares". Ele comemora especialmente que os três primeiros lugares já têm vaga garantida para serem palestrantes em 2020. Além das premiações, as próprias aprovações das pesquisas no evento "mostra a força dos cursos do IFCE na pesquisa".

Messias também enfatiza que a receptividade aos trabalhos do IFCE foi muito proveitosa, o que garantiu a promessa de um espaço maior e mais bem localizado no ano que vem. "Como aprendizado, o evento mostrou que temos um potencial imenso no IFCE e que o Centro de Eventos não comportaria tudo o que o Instituto tem a mostrar. Para 2020, queremos ter um cronograma com todos os campi, para que a cada dia cada campus possa mostrar o que desenvolve".

Os ganhos para o Instituto ultrapassam a mostra de pesquisas exitosas. Segundo Messias, o evento também serviu para "afinar a nossa relação institucional com a Federação da Agricultura do Ceará" e chamar a atenção para projetos de pesquisa em áreas diversas da produção animal, como a qualidade de água e estação meteorológica e a germinação do pequi, gerando uma enorme curiosidade e visitação.

Do evento também resultou o convite do secretário nacional de Aquicultura e Pesca, Jorge Seif Júnior, para que a Cartilha de Aquicultura para o Desenvolvimento Sustentável, criada por alunos e professores do curso de Engenharia de Aquicultura do campus de Morada Nova, tenha o link disponibilizado no portal do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). O documento, com versão em e-book (digital), tem como objetivo informar, orientar e apresentar sistemas práticos a artesanais para geração e complementação de renda para comunidades rurais.

Idealizador e editor do material, Ítalo Régis Castelo Branco, professor do curso de Engenharia de Aquicultura, comemora os resultados da participação no Pecnordeste. Além do reconhecimento do trabalho de todos os estudantes envolvidos - "todos os desenhos foram feitos à mão por eles", Ítalo explica que o desempenho do IFCE foi maior e tem um impacto determinante na formação do estudante. "Os alunos participantes se sentiram enaltecidos, se aproximaram do setor produtivo, das empresas fornecedoras de insumos, rações, equipamentos, implementos, se atualizaram e se tornaram conhecidos. Isso tudo abre espaço para um estágio profissional e futuro emprego, além do fato de o IFCE se tornar conhecido e se firmar como instituição forte na pesquisa e inovação nas agrárias", enfatiza.

A troca de experiências entre instituições, pesquisadores e mercado é vista como um importante meio de aproximar os estudantes da realidade do agronegócio e agricultura familiar cearense, mas também de mudar a mentalidade do nosso produtor. Em entrevista sobre o evento, o superintendente do Senar, Sérgio Oliveira da Silva, resume o objetivo maior de um evento deste porte: "mudar a mentalidade do produtor rural para ele entender que a propriedade dele é uma empresa e que ele tem que gerir essa empresa com vistas à consolidação da pecuária e ao crescimento como negócio".

Confira abaixo a lista de trabalhos premiados

BOVINOCULTURA
1º LUGAR
USO DE ÓLEOS VEGETAIS DE PLANTAS NATIVAS DO CARIRI CEARENSE EM DIETAS DE VACAS LEITEIRAS NO TERÇO FINAL DA LACTAÇÃO – Joana Angélica Matias de Lima

3º LUGAR
ABATE HUMANITÁRIO DE BOVINOS NO MUNICÍPIO DE JUAZEIRO DO NORTE, CEARÁ – Maria Helba Bezerra de Almeida Pinto

CAPRINOVINOCULTURA
1º LUGAR
USO INOVADOR DO ÓLEO DE PEQUI (Caryocar coriaceum Wittm) COMO ANTIOXIDANTE AO DILUENTE TRIS SOBRE A MEMBRANA ESPERMÁTICA DO SÊMEN REFRIGERADO POR 6 HORAS DE OVINOS – Dyovana Silva Pontes

ALIMENTAÇÃO ANIMAL
1º LUGAR
AVALIÇÃO MORFOMÉTRICA DE CLADÓDIOS DA PALMA FORRAGEIRA IPA SERTÂNIA EM RESPOSTA AO USO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DE SUINOCULTURA – Paulo Ricardo Vieira da Silva

3º LUGAR
AVALIAÇÃO DO CRESCIMENTO DA PALMA FORRAGEIRA (Opuntia stricta) SOB EFEITO DE ÁGUA RESIDUÁRIA DA SUINOCULTURA – Gabriela Duarte Freitas

AQUICULTURA E PESCA
2º LUGAR
MASCULINIZAÇÃO DA TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus) CULTIVADAS EM TEMPERATURA ACIMA DA FAIXA DE CONFORTO TÉRMICO – Lavigna Soares Moreira

3º LUGAR
ESTUDO DAS RELAÇÕES PESO-MEDIDAS MORFOMÉTRICAS DE PÓS-LARVAS DE TILÁPIA DO NILO (Oreochromis niloticus) DURANTE O PROCESSO DE INVERSÃO SEXUAL – Juliano dos Santos Macedo

SUINOCULTURA
3º LUGAR
RESPOSTA DE CULTIVARES DE Panicum maximum A DOSES CRESCENTES DE BIOFERTILIZANTE DE SUINOCULTURA – Maria Letícia Rodrigues

Cláudia Monteiro - jornalista da Reitoria