Você está aqui: Página Inicial > Noticias > Com toque cearense, cantora argentina promete emocionar na abertura da Bienal
conteúdo

Notícias

Com toque cearense, cantora argentina promete emocionar na abertura da Bienal

REPERTÓRIO SELETO

Ao lado do saxofonista e flautista Mário Séve, Cecilia Stanzione lançará DVD na abertura do evento do IFCE - com direito a homenagem a Belchior
última modificação: 22/11/2018 18h06

Mário Sève e Cecília Stanzione (Foto: divulgação)

(Foto: Divulgação)

Eles carregam a responsabilidade de iniciar a história de um novo evento cultural na capital cearense e embalar um público que tem gosto apurado para a boa música. Ao lado do saxofonista/flautista carioca Mário Sève, a cantora Cecilia Stanzione é a atração internacional da I Bienal Internacional de Música do Instituto Federal do Ceará – Paulo Abel do Nascimento, evento que inicia-se no dia 29/11, em Fortaleza/CE. A dupla vai apresentar-se às 18h, na praça Carlos Câmara, na Reitoria do IFCE. Os artistas serão acompanhados por Édson Távora (no piano) e Jorge Cardoso (participação especial no bandolim).

O concerto, aliás, será ainda mais especial para eles: Cecila e Mário estarão lançando, na ocasião, seu primeiro DVD Samba Errante (Núcleo Contemporâneo). O material inclui participações de Ney Matogrosso e do lendário bandoneonista portenho Walter Ríos.

Conversamos com Cecilia sobre a expectativa para a participação na Bienal. Argentina de Buenos Aires, ela mora há 10 anos no Brasil, e garante: está ansiosa para conhecer o público cearense.

“Além da possibilidade de viajar para uma região do Brasil completamente desconhecida para mim, é estimulante o fato de conhecer pessoas com quem compartilho a paixão pela música. Eu sou grande admiradora do Brasil e de sua cultura”, destacou Cecilia.

E, para deixar a todos ainda mais ansiosos, ela adiantou alguns detalhes da apresentação: “O repertório será variado. Terei até a ousadia de cantar em português, para homemagear o maravilhoso cantor Paulo Abel do Nascimento. Faremos também músicas de nossa autoria e alguns clássicos da Argentina e do Brasil”. No roteiro, Edu Lobo, Chico Buarque, Tom Jobim, Vinícius de Moraes e um toque cearense com o clássico Mucuripe, de Belchior.

Como experiência nordestina, Stanzione destaca que já teve o prazer de cantar com Elomar Figueira Mello, cantor e compositor baiano, na Casa dos Carneiros, em Vitória da Conquista – experiência que ela classifica como inesquecível.

Além da apresentação na abertura, Cecilia Stanzione terá uma opotunidade de maior contato com o público da Bienal ao ministrar a masterclass “O Canto, a Técnica e a Expressão”, às 09h do dia 30, no laboratório de coral do campus Fortaleza do IFCE. “Me dedico ao ensino do canto há mais de 25 anos, então minha expectativa quanto à oficina é poder transmitir minha experiência e, ao mesmo tempo, absorver e aprender da experiência dos alunos. É sempre uma experiência muito enriquecedora”, complementou a cantora. Mário Sève também vai ministrar uma masterclass na manhã da sexta-feira, com o tema Prática de Choro, no laboratório de bandas do campus, na parte da manhã.

Mais que uma parceria: uma soma de informações culturais

"Ansioso". Com essa palavra, Mário Sève resumiu o sentimento de tocar na abertura da Bienal do IFCE. Ao lado da parceira musical argentina, ele promete uma apresentação plural, com uma mistura de ritmos brasileiros e argentinos, que inclui o samba, tango, choro, milonga, modinha, zamba e chamamé. Ele relembra o começo da parceria de sucesso com Cecilia.

"Nos conhecemos há vários anos. Fizemos várias canções em parceria - melodias minhas com letras dela. Quando eu a conheci fiquei admirado com seu canto, a precisão, a intensidade. É uma intérprete fantástica. Nós fazemos um concerto intimista, focado na voz de Cecilia. Preparamos composições nossas e também músicas tradicionais argentinas", diz Sève.

O músico é integrante dos grupos Nó em Pingo D´Água, Aquarela Carioca e outros. No currículo, coleciona parcerias de peso, tocando com nomes como Alceu Valença, Marisa Monte e Paulinho da Viola, com quem toca há 20 anos.

A participação na Bienal será mais um capítulo marcante na rica trajetória de Sève. "A música na região nordeste é feita de forma intensa, com muita verdade. Adoro essa região do país. Ficamos muito felizes com o convite. Paulo Abel era um contratenor fantástico, de uma voz raríssima. Esperamos honrar o público com uma apresentação bonita"

Por Dowglas Lima

Saiba mais sobre a I Bienal Internacional de Música do IFCE clicando aqui

Confira um pouco do que vai ser a apresentação de Cecilia Stanzione e Mário Sève: