Você está aqui: Página Inicial > Noticias > IFCE: 1º lugar do Brasil em aprovações no AgroResidência
conteúdo

Notícias

IFCE: 1º lugar do Brasil em aprovações no AgroResidência

Projetos cearenses são maioria no Programa de Residência Profissional Agrícola
última modificação: 14/10/2020 11h18

O Instituto Federal do Ceará (IFCE) é a instituição de ensino brasileira com maior número de projetos aprovados no primeiro Edital de Chamamento Público do AgroResidência – Programa de Residência Profissional Agrícola. As iniciativas selecionadas serão financiadas para que desenvolvam atividades voltadas à qualificação técnica de estudantes e recém-egressos dos cursos de ciências agrárias e afins. O resultado final foi divulgado nesta semana pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Dos 75 projetos aprovados em todo o Brasil, 34 são do Nordeste, e o estado com maior número de aprovações, no País, é o Ceará, com 6, das quais 5 são de autoria do IFCE. Pará (5), Minas Gerais (5) e Rio Grande do Sul (5) aparecem em seguida no ranking dos estados. Além da região Nordeste, o edital selecionou 15 iniciativas do Norte, 8 do Centro-Oeste, 8 do Sudeste e 10 do Sul.

Para a pró-reitora de Extensão do IFCE, Zandra Dumaresq, o resultado do edital é uma “vitória em equipe” que comprova a competência dos profissionais e a capacidade técnica dos alunos e, como consequência disso, gera oportunidades de colocar o conhecimento em prática. “É fruto do fortalecimento da formação em ciências agrárias no IFCE, que hoje possui 13 campi com cursos nessa área”, aponta a gestora. “Na primeira fase, todos os 19 projetos que encaminhamos passaram para a etapa seguinte e, agora, no final, conseguimos 5, o maior número de aprovações de uma instituição no País”, comemora.

Segundo Zandra, os estudantes do IFCE (cada projeto pode ter de 5 a 10 alunos envolvidos diretamente) vão desenvolver a prática, sob orientação de um coordenador, em unidades que têm convênio com o instituto, como fazendas e cooperativas, além de receberem bolsas para tal fim. “Esse resultado vai fortalecer ainda mais esses cursos no instituto. Ao mesmo tempo que amplia oportunidades para os que estão nesses projetos, incentiva novos alunos para participarem”, acrescenta.

Confira a lista dos projetos aprovados aqui.

Sobre o AgroResidência

Para financiar os projetos aprovados, durante o período máximo de dois anos, o governo federal destinou R$ 17,1 milhões para o programa de residência profissional. Os recursos poderão ser usados no custeio de bolsa para residentes de cursos técnicos de nível médio, no valor de R$ 900; e de nível superior, no valor R$ 1.200. A carga horária de trabalho dos residentes será de 40 horas semanais.

Para ser residente pelo AgroResidência é preciso ter entre 15 e 29 anos de idade, ser estudante ou recém-egresso de cursos nas áreas de ciências agrária e afins, de nível médio ou superior. Os estudantes precisam ter cursado todas as disciplinas do curso e os egressos deverão ter concluído o curso há, no máximo, 12 meses.

Os jovens interessados na residência profissional agrícola devem entrar em contato com as instituições contempladas no Edital de Chamamento Público do programa para obter informações sobre a seleção de residentes. Cada Instituição de Ensino contemplada será responsável por estabelecer os próprios critérios e procedimentos de seleção, respeitando o estabelecido pelo Programa.

Por meio dos projetos aprovados, serão beneficiados 950 estudantes e recém-egressos, sendo 221 residentes de nível médio e 729 residentes de nível superior.

O AgroResidência foi instituído neste ano com o objetivo de apoiar a formação de profissionais com as competências necessárias para plena atuação nas áreas de ciências agrárias e áreas correlatas, por meio de treinamento prático, supervisionado e orientado. Além de qualificar profissionais, o programa busca desenvolver nos alunos o senso de responsabilidade ética, por meio do exercício de atividades profissionais, direcionando-os para uma vida cidadã e para o trabalho.

Luís Carlos de Freitas - Reitoria (com informações do www.gov.br/agricultura)