Você está aqui: Página Inicial > Noticias > Edital estimula participação feminina nas ciências
conteúdo

Notícias

Edital estimula participação feminina nas ciências

EMPODERAMENTO FEMININO

Inscrições abertas até 5/10/2018 para Chamada CNPq/MCTIC Nº 31/2018 - Meninas nas Ciências Exatas, Engenharias e Computação
publicado: 28/08/2018 08h13, última modificação: 31/08/2018 14h20

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC) lançam edital “Meninas nas Ciências Exatas, Engenharia e Computação”, com o objetivo de estimular a formação de mulheres para estas carreiras, despertar o interesse vocacional das estudantes da Educação Básica e do Ensino Superior por essas profissões e para a pesquisa científica e tecnológica, além de combater a evasão que ocorre, principalmente nos primeiros anos, de meninas dos cursos de graduação nessas áreas.

A iniciativa, que representa um investimento total de R$ 3 milhões, estimula a aproximação das escolas públicas da Educação Básica com as Instituições de Ensino Superior, exigindo que cada proposta deva, obrigatoriamente, envolver uma parceria entre elas. Para as escolas públicas, o projeto de envolver alunas do Ensino Fundamental a partir do 6º ano e/ou do Ensino Médio. Cada projeto pode ter de uma a cinco escolas públicas envolvidas. As inscrições já estão abertas e vão até o dia 5 de outubro. A divulgação final das propostas aprovadas está prevista para sair no dia 1º de dezembro. Mais informações aqui.

IFCE incentiva a participação feminina

O Instituto Federal do Ceará já desenvolve em alguns campi projetos que estimulam mulheres a participarem de cursos voltados à Ciência e Tecnologia. No campus de Aracati é desenvolvido desde 2016 o projeto de extensão Divas, que busca estimular a entrada e permanência de meninas nos cursos nas áreas de Tecnologia e Computação. Coordenado pela professora Carina Oliveira, o projeto atua por meio da oferta de oficinas, palestras, cursos e eventos.

“O projeto Divas, em mais de dois anos de existência, já beneficiou diretamente mais de 300 pessoas e atua em algumas linhas. Uma delas trata da desmistificação das Tecnologias da Informação e Comunicação (TIC), para estudantes de Ensino Fundamental e Médio na Região do município de Aracati”, conta Carina. Ela complementa:  “As principais ações do Divas são as realizações de cursos e eventos na área do TIC, abordando temáticas como informática básica, oficinas de desenvolvimento de games, assim como outros cursos voltados para a tecnologia”. 

Oriunda do Divas, a estudante Jaciana Barbosa, do curso de Bacharelado em Ciência da Computação, participou no início de agosto do 3ª Conecta IF, evento realizado pelo Instituto Federal de Brasília. Ela foi selecionada para representar o Ceará no evento, que reúne pesquisadores, professores e estudantes da Rede Federal de Educação de todo o país. O objetivo é estimular o diálogo entre as várias ações desenvolvidas no âmbito da Educação Profissional e Tecnológica.

O programa Mocinhas da Computação surgiu no ano de 2017 no campus de Boa Viagem, com o intuito de motivar as alunas na participação e protagonismo nas áreas de Computação e Tecnologias da Informação e Comunicação. Coordenado pela professora do curso técnico integrado em Redes de Computadores, Antonia Raiane Santos Araújo Cruz, seus objetivos são combater a evasão feminina dos cursos ligados à computação, permitir que as alunas conheçam e participem de formações na área de TIC e envolvê-las com outros projetos e competições, entre outros objetivos.

Em Limoeiro do Norte, a professora Karlucy Farias de Sousa deve anunciar em breve o 1º Prêmio para Garota Cientista, durante a II Mostra Limoeirense de Projetos (Moslipro), que vai acontecer de 3 a 5 de setembro. Também no campus do Crato, o Centro Acadêmico Ada Lovelace criou o projeto AmbientAda, com o objetivo de trocar conhecimentos na área de TI, de modo a aumentar a representatividade feminina na área aqui no nosso campus. O projeto promoveu em abril a roda de discussão sobre Engenharia Social.

Cláudia Monteiro, jornalista do IFCE, com a colaboração do estagiário de jornalismo Brenow Muniz