Você está aqui: Página Inicial > memorial > Onde estamos? / Contatos
conteúdo

Onde estamos? / Contatos

publicado 11/10/2018 12h27, última modificação 05/02/2019 15h56

 Memorial do IFCE - Dr. Raimundo César Gadelha de Alencar Araripe 

Av. Jorge Dumar, 1703
Jardim América - CEP: 60410-426
Fortaleza - Ceará 
Fone (85) 3401.2361 / 3401.2368
Horário de atendimento: 
De 8h às 17h

Bairro Jardim América

Texto: Solon Sales

As relações entre Brasil e Estados Unidos durante o período da segunda guerra mundial foram muito intensas desde o momento em que o governo brasileiro permitiu que os americanos construíssem bases militares em Fortaleza e Natal para criar uma rota de chegada a Europa via África. O governo americano construiu uma base no Pici e o aeródromo do Cocorote. Em função deste acordo a edilidade fortalezense construiu uma praça e nomeou-a de Praça Presidente Roosevelt em homenagem àquele presidente americano. Por consequência surge o nome do novo bairro que passou a ser chamado de Jardim das Américas e com o tempo tornou-se Jardim América, por processo semelhante a derivação regressiva. A praça, inaugurada em 1932 dá origem, portanto, ao bairro.

Anteriormente a localidade era conhecida como Alagado, pelo fato de possuir terrenos baixos e que recebia as águas escoadas de pelo menos três lagoas, a de Parangaba, do Bessa, localizada no Bairro Rodolfo Teófilo e do Tauape, posteriormente soterrada. Subsequentemente este problema de alagamento dos terrenos do bairro foi solucionado nos anos cinquenta do século passado, a partir da construção de um extenso canal, que hoje separa os bairros do Benfica e Gentilândia do bairro Jardim América dando origem a Av. Eduardo Girão popularmente conhecida como Avenida do Canal.

Outro fato que conta a história do bairro foi a construção, em 1926 do Matadouro Modelo de Fortaleza, no terreno que hoje abriga o Colégio Paulo VI, na rua Jorge Dumar esquina com a Av. Borges de Melo. O empreendimento foi erigido por três capitalistas, Antônio Diogo de Siqueira, Abel Ribeiro e Artur Temóteo que ficaram com a concessão de explorar os serviços de abate do gado para o consumo em Fortaleza. O terreno foi adquirido por Antônio Diogo de Siqueira do senhor Manuel Romualdo Holanda, onde tinha instalado ali o sítio Tauape. Por esta razão o lugar era conhecido como Tauape ou Barro Preto, que sucessivamente passou a integrar o bairro do Jardim América. Foi desativado em 25 de julho de 1959. Em 1962 o edifício do matadouro é demolido para que ali se construísse o colégio Paulo VI.

Esta atividade econômica fez surgir no entorno do matadouro duas comunidades que até hoje existem com os nomes originários. No terreno a frente do prédio surge a comunidade Matadouro que tomou o nome do prédio. No terreno ao lado do edifício, lado oposto a Av. Borges de Melo, vai surgindo paulatinamente outra comunidade que recebeu o nome de Salgadeiro em alusão a uma das atividades desenvolvidas no matadouro, o ato de salgar a carne. Outra comunidade surge no entorno, pelo lado da Av. dos Expedicionários que recebeu o nome de Brasília.
Na área cultural o bairro conta com a presença do Maracatu Az de Ouro, fundado em 26 de setembro de 1936 pelo Sr. Raimundo Alves Feitosa. Em 1952 o Maracatu passa a ter sua sede na Rua Edite Braga. Em breve o bairro ganhará mais outro memorial em homenagem a Joaquim Pessoa de Araújo, o Mestre Juca do Balaio que por muitos anos esteve à frente dos destinos do Maracatu. Mestre Juca além de brincante era compositor e tirador de loas e foi Mestre da Cultura.

A educação esta presente de forma marcante na vida do bairro Jardim América. Várias ruas homenageiam professores ilustres ao longo da história de Fortaleza sem contar as escolas e colégios tais como Filgueiras Lima, Paulo VI e Mozart Pinto, para citar somente os três vizinhos a Reitoria. Em 12 de agosto de 2016, inaugura-se no bairro, vizinho ao Colégio Paulo VI a sede da Reitoria do Instituto Federal de Educação, Ciências e Tecnologia do Ceará - IFCE e em suas dependências em 2017 a 30 de junho o Memorial do IFCE - Dr. Raimundo César Gadelha de Alencar Araripe, aberto a visitação pública, para contribuir com o bairro na arte e cultura.

Os professores que dão nome as ruas do bairro

Profa. Edite Dinoah da Costa Braga (1889/1950) - professora e educadora que exerceu o magistério com brilhantismo a partir dos anos de 1920 na Escola Normal foi a filha mais velha de Felismino Norberto Leite da Costa e Margarida Dinoah Costa nascida na Paraíba e falecida em Fortaleza a 25 de junho de 1950. A Lei municipal nº 806, proposta pelo vereador Pedro Paulo Moreira de Oliveira, de 24 de setembro de 1954, promulgada pelo Prefeito Paulo Cabral de Araújo homenageia esta educadora nomeando rua com seu nome no Bairro Jardim América.

Prof. Carlos Câmara (1881/1939) - Jornalista, teatrólogo, advogado, professor foi Diretor da Escola de Aprendizes Artífices, atual Instituto Federal do Ceará, durante duas gestões sendo a primeira de 1913 a 1924 e a segunda de 1925 a 1939. A Reitoria do IFCE também homenageou este ex-gestor batizando a praça que separa o prédio da Reitoria do prédio do Memorial com seu nome.

Prof. Antônio Filgueiras Lima (1909/1965) - nascido em Lavras da Mangabeira, no Ceará, foi o precursor no estado da implantação da chamada Pedagogia Nova, corrente filosófica implantada no Brasil pelo educador paulistano Lourenço Filho, de quem foi grande amigo. Criou o Instituto Lourenço Filho em 1938, hoje Colégio e Faculdade Lourenço Filho, juntamente com Paulo Sarasate onde a base pedagógica era a Pedagogia Nova ou Pedagogia Funcional, priorizando o ensino a partir das necessidades das crianças. Grande educador e professor foi homem de letras, a quem o Ceará muito deve.

Prof. Waldery Magalhães Uchoa (1917 /1964) - natural de Canindé além de professor foi homem de letras, jornalista, historiador e político, tendo sido membro do Instituto de Ceará (Histórico, Geográfico e Antropológico). Foi um dos fundadores da Associação Cearense de Imprensa.

Prof. Manuel Teófilo da Costa Mendes (1841/1891) - professor e educador nascido em Quixeramobim filho de Inácio Mendes Guerreiro e Joana Mendes da Silva. Juntamente com o irmão João de Araújo da Costa Mendes fundou o Ateneu Cearense na Praça do Ferreira, em Fortaleza, tendo sido este o primeiro estabelecimento de ensino primário e secundário do Ceará.