Você está aqui: Página Inicial > memorial > BIOGRAFIA - DR. RAIMUNDO CÉSAR GADELHA DE ALENCAR ARARIPE
conteúdo

BIOGRAFIA - DR. RAIMUNDO CÉSAR GADELHA DE ALENCAR ARARIPE

publicado 20/11/2018 15h19, última modificação 21/11/2018 12h23
Texto: Solon Sales Fotos: Douglas Barbosa

11º Diretor da Escola Técnica Federal do Ceará

Raimundo César Gadelha de Alencar Araripe (12/10/1972 - 05/07/1990)

                 Nasceu em Fortaleza em 1930. Era filho de Mário de Alencar Araripe e de Dery Gadelha de Alencar Araripe irmão de Ary Gadelha de Alencar Araripe e Maria Augusta Gadelha de Alencar Ararie. Mário teve grande atuação na sociedade fortalezense da primeira metade do século XX, foi amigo de Waldyr Diogo de Siqueira com quem encabeçou a construção do Maguary Esporte Club na Rua Barão do Rio Branco, prédio tombado pela edilidade fortalezense.  Também foi sócio, juntamente com uma plêiade de cearenses influentes na política e economia da primeira metade do século XX, da Rádio Club Cearense. Dentre os sócios, Thomaz Pompeu Sobrinho, Álvaro Weyne, Dolor Barreira, Guilherme Ellery, Jáder de Carvalho, César Cals de Oliveira, Amâncio Philomeno Ferreira Gomes, Luiz Moraes Correia dente outros. (SOUZA NETO, 2008)

Sede do Club Maguary na Rua Barão do Rio Branco

                 Tamanha sua atuação na sociedade e para a sociedade, notadamente na primeira metade do século XX que a edilidade fortalezense nomeou uma rua com o nome de Mário Alencar Araripe, no bairro da Sapiranga. Pai zeloso educou e orientou os filhos com esmero, tendo estes também se destacado no cenário fortalezense como homens de bens.

                  Bacharelou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela então Faculdade de Direito do Ceará, hoje Universidade Federal do Ceará em 08 de dezembro de 1953. A chamada turma do cinquentenário, nome alusivo às comemorações de cinquenta anos de criação da Faculdade de Direito do Ceará turma composta além do Dr. Raimundo César Gadelha de Alencar Araripe de Fávila Ribeiro, Hermenegildo de Sá Cavalcante, José Ernani Gurgel Viana, Luiz Edgar de Andrade Furtado, Luiz Portela Marcílio, Marcelo Caracas Linhares, Vicente Itamar Barros de Almeida dentre outros.

                   Raimundo César casa-se com Tereza Maria Sales Araripe, Educadora Física e tiveram os seguintes filhos Pedro Samuel Sales Araripe, Virgilio Augusto Sales Araripe, Mário Sérgio Sales Araripe e Dery Sales Araripe.

                  Profissionalmente tornou-se Procurador Federal na então Escola Industrial de Fortaleza de onde, mais tarde foi diretor de 1969 a 1990, sendo que o período de 1969 a 1972, respondeu pela função interinamente, passando a partir do último ano a titular, quando toma posse no dia 13 de outubro. No entanto, efetivamente o Dr. César respondia pela Direção nos impedimentos do Prof. José Roberto, que desde 25 de julho de 1969 ficou a disposição da Diretoria do Ensino Industrial no Ministério da Educação e Cultura. O bacharel em direito Oregon Cavalcante de Carvalho passa a ocupar o cargo de Procurador, após a aposentadoria do Dr. César, tendo tomado posse em 13 de maio de 1991.

                Como diretor o Dr. César Gadelha de Alencar Araripe, foi um gestor de intensa dinâmica no crescimento da ETFCE. Em sua gestão continuou com as obras de expansão do prédio, iniciadas na gestão anterior. Uma das grandes obras foi a construção da piscina semiolímpica no claustro do edifício, além da ampliação dos blocos de salas de aulas onde hoje funcionam a telemática e o turismo. Há um considerável registro iconográfico destas obras, desde a implantação dos alicerces até suas conclusões.

               Como gestor foi um visionário. Cultivava amizade com as maiores autoridades do estado e tinha relações muito próximas com Virgílio Távora e César Cals de Oliviera Filho. Estes governadores eram presença constante nos eventos da Escola Técnica Federal do Ceará.

              Na gestão do governador César Cals (1971/1975) Dr. César, atendendo a pedido do governador, implanta de maneira pioneira em todo o Brasil o primeiro Curso Técnico em Turismo. Conforme Vasconcelos (1995, pág. 27):

        A obstinação, a visão de futuro, a vontade de amenizar o problema do desemprego, a necessidade de preencher as lacunas do mercado turístico que se iniciava com mão de obra  qualificada, em nível de 2º grau e com a garantia da formação técnica da ETFCE [...] possibilitaram a realização de um projeto que visava instalar um Curso Técnico de Turismo na Escola Técnica Federal do Ceará. Assim, através de pedidos insistentes, porém justificados, dispôs-se o diretor da Escola, no momento Presidente do Conselho de Professores da ETFCE, a propor a manutenção do Curso Colegial Técnico de Turismo, em nível de 2º grau, conforme deliberação Nº 109, de 8 de novembro de 1972.

               Ora, considerando-se que o primeiro curso de bacharelado em Turismo do Brasil foi criado em 1971 na então Faculdade de Turismo do Morumbi (atual Universidade Anhembi-Morumbi), comprova-se o espírito arrojado do diretor na criação do primeiro curso técnico em Turismo no Brasil, que teve o curso criado pelo Conselho de Representantes da ETFCE por meio da Resolução Nº 603 de 27 de dezembro de 1972.

               Ainda nesta década de 1970 conforme Menezes (2013):

Instituiu-se a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, a   5.692/71,  cuja característica mais marcante foi tentar dar a formação educacional, um cunho profissionalizante, procurando fazer com que a educação contribuísse, decisivamente, para o aumento da produção brasileira.

                  A partir desta nova ordem educacional o Ministério da Educação e Cultura busca qualificar as escolas técnicas federais para a nova realidade. Desta sorte o Dr. Raimundo César passa a participar dos diversos encontros promovidos pelo MEC, juntamente com sua equipe de assessoria tendo a frente o Prof. José de Anchieta Tavares Rocha, que então ocupava a Diretoria de Ensino. Assim, conforme registra o Boletim de Serviço Nº 25 participaram da reunião promovida pelo Departamento de Ensino Médio do MEC, no período de 13 a 17 de maio de 1974, ocorrido na Escola Técnica Federal Celso Suckow, do Rio de Janeiro. O encontro teve “por objetivo principal o estudo e a analise da proposta do Departamento de Ensino Médio, no sentido de dotar as escolas de uma estrutura organizacional única”. (ETFCE, 1974, p. 67).

             Em 1976, participa em Pelotas, no Rio Grande do Sul da IV Reunião de Diretores das Escolas Técnicas Federais, no período de 5 a 9 de abril. Esta reunião hoje se configura como “Reunião dos Dirigentes das Instituições Federais de Educação Profissional e Tecnológica - Reditec”, que em seu início congregava os diretores de Escolas Técnicas e hoje congrega além dos diretores dos campi Reitores e Pró-Reitores da rede federal de educação tecnológica.

               Conforme o Ministério da Educação e Cultura (1976), em relatório, esclarece os objetivos da reunião:

             O objetivo geral da Reunião de Diretores das Escolas Técnicas Federais, visa caracterizar a Supervisão Pedagógica e a Orientação Educacional, dentro da nova estrutura das Escolas Técnicas Federais, como fatores preponderantes da melhoria da qualidade de ensino. Como objetivos específicos analisar os papéis do supervisor pedagógico e do orientador educacional como agente da melhoria da qualidade do ensino; discutir a integração escola-empresa como atividade do processo de Orientação Educacional; elaborar diretrizes que possibilitem a ação integrada da Supervisão Pedagógica e Orientação Educacional.

              Em outro trecho o documento apresenta a organização dos grupos de trabalho:

                                                         Os grupos de trabalho foram assim organizados: GRUPO A - Coordenador: José de Anchieta Tavares Rocha Relator: Ronald da Silva Carvalho Ressonância: Yolanda Ferreira Pinto [...]

                                                           6.3 - ORGANIZAÇÃO DOS GRUPOS DE TRABALHO Os grupos          de trabalho foram assim organizados: GRUPO A - 05) Raimundo César Gadelha de Alencar Araripe - Diretor da ETF/CE. Coordenador: José de Anchieta Tavares Rocha Relator: Ronald da Silva Carvalho Ressonância: Yolanda Ferreira Pinto.

                Pertinente observar a presença do Prof. José de Anchieta Tavares Rocha que exercia a função de Chefe da Coordenadoria de Supervisão Pedagógica e que viria a substituir o Dr. César Gadelha na função de Diretor Geral da Escola Técnica Federal do Ceará.

             Sua gestão encerra-se em 05 de julho de 1990. Em 17 de setembro de 2009, a Assembleia Legislativa do estado do Ceará realizou sessão solene em comemoração ao centenário do Instituto Federal do Ceará. O evento foi uma iniciativa do então presidente da Comissão de Educação, Cultura e Desporto, deputado Artur Bruno, que muito lucidamente lembrou-se desta efeméride. Vários deputados estaduais e federais fizeram uso da palavra enaltecendo o papel do Instituto nas ações educacionais e profissionalizantes dos jovens cearenses. Momento relevante foi a homenagem realizada ao decano dos diretores gerais do Instituto, Dr. Raimundo César Gadelha de Alencar Araripe que esteve presente a cerimônia. Justa e merecida homenagem por ser realizada com o homenageado ainda vivo.

          Dr. César veio a falecer aos 86 anos, em 17 de dezembro de 2016. A missa de corpo presente aconteceu na manhã do dia 18 de dezembro seguindo o cortejo para o IFCE Campus Fortaleza, onde a instituição prestou homenagem ao seu ex-diretor e servidor abnegado. No hall de entrada dos auditórios Iran Raupp e Castelo Branco, o féretro permaneceu durante as homenagens. A chegada do carro fúnebre no estacionamento do IFCE, o caixão foi conduzido até o hall, levado por todos os ex-diretores, em ordem cronológica: Prof. Samuel Brasileiro, Prof. Mauro Oliveira, Prof. Luiz Orlando, Prof. Cláudio Ricardo e Prof. Virgiílio Araripe, que ali estava não na condição de Reitor, mas na condição de filho.

         Conforme Lima (2016) o Prof. Antônio Moisés Filho de Oliveira conduziu as homenagens e relembrou seu início na instituição destacando que:

Entrei nesta escola em 1979 como estudante, e ele já  era diretor. Tive a oportunidade de retornar como servidor e ele ainda estava na direção. Ele  sempre impôs muito respeito, mas com carinho e urbanidade com os servidores. Vai deixar saudades. Foi um grande gestor.

          A homenagem realizada no campus Fortaleza, onde Dr. César durante muito tempo atuou foi bastante prestigiada por muitos servidores aposentados e maior número ainda de servidores atuais. O hall dos auditórios ficou lotado, inclusive com assistência na parte externa, apesar da fina chuva que caiu durante toda a manhã.

 

Momento da abertura das exéquias do Dr. César Gadelha no Campus Fortaleza - Hall dos auditórios tendo sido este inaugurado durante sua gestão.

       O primeiro ex-diretor a fazer uso da palavra foi o Prof. Luiz Orlando Rodrigues que exaltou a importância do Dr. César, como era conhecido na ETFCE e disse: “Agradeço a confiança por ter sido assessor dele, e por ter desfrutado de sua amizade. Se chegamos até aqui, é porque ele nos preparou o terreno. A nossa instituição, a nossa cidade e o estado devem muito a ele”.

         Por sua vez o Prof. Samuel Brasileiro Filho ao fazer uso da palavra destacou que: "Tínhamos na figura do doutor César a percepção da autoridade nata daquele que nos dirigia. Iremos lembrá-lo como o último grande diretor desta casa".

        Já o Prof. Antônio Mauro Barbosa de Oliveira no momento de sua homenagem póstuma sugeriu dar-se ao Memorial do IFCE, que se encontra em fase de implantação o nome de César Araripe, dizendo: “A César o que é de César. Ele cuidou desta escola como um verdadeiro pai”.

       Em seu pronunciamento o Prof. Cláudio Ricardo Gomes de Lima, primeiro ex-reitor do IFCE assim se referiu em sua elegia: "Esta escola é uma grande família. E o nosso patriarca foi César Araripe. Não só pela presença longeva na direção, mas pela forma com que conduzia. Ele parte com o sentimento de missão cumprida".

       Também usou da palavra o ex p rofessor do IFCE Antônio Salvador da Rocha, exaltando a magnanimidade e visão de futuro do Dr. César Araripe, quando ainda nos anos oitenta liberou-o para realizar curso de mestrado e doutorado. Aquela época não se tinha esta visão e o Dr. César Araripe, já vislumbrava a formação mais densa dos seus professores. O Prof. Salvador agradeceu ao ilustre homenageado a oportunidade recebida para a realização destes cursos.

       Por fim, fez uso da palavra o Secretário de Ciência, Tecnologia e Educação Superior do Ceará, Inácio Arruda, que é ex-aluno da ETFCE. Relembrando seus tempos de aluno ressaltou os feitos do ex-diretor dizendo: “Todos nós que passamos por aqui temos uma dívida de gratidão com o homem sério - mas ao mesmo tempo afetuoso - que foi César Araripe. Ele só nos deixou alegrias".

 

Foto histórica com a presença de todos os ex-diretores e reitor do IFCE no momento da elegia ao Dr. César Araripe, decano dos ex-diretores. Da esquerda para direita os que estão de paletó: Prof. Luiz Orlando, Prof. Samuel Brasileiro, Prof. Mauro Oliveira, Prof. Cláudio Ricardo. Ao centro o diretor do Campus Fortaleza Prof. Moisés Oliveira. Fonte: Douglas Barbosa

      Ao término dos discursos o Prof. Antônio Moises Filho Oliveira, agradeceu reconhecidamente a família do Dr. Raimundo César Gadelha Alencar Araripe por permitir que o féretro fosse trasladado até o IFCE e comunicou aos presentes que o cortejo seguiria direto para o Cemitério Parque da Paz onde se verificaria o sepultamento pouco depois do meio dia. Justas e merecidas homenagens, realizadas com a aquiescência da família, que gentilmente concedeu esta oportunidade, permitindo que o féretro fosse levado até o IFCE para este ato póstumo. Elogiável a atitude do Prof. Moises Oliveira em reconhecer a relevância do ex-diretor que tanto fez pela causa da educação no estado.