Você está aqui: Página Inicial > Fortaleza > Discentes do Integrado buscam ser cientistas
conteúdo

Notícias

Discentes do Integrado buscam ser cientistas

Organizados em grupo virtual, alunos e alunas defendem candidaturas para universidades internacionais
última modificação: 26/10/2021 11h51

Cinco discentes de cursos técnicos integrados do campus de Fortaleza - agrupados em aplicativo de comunicação virtual - se ajudam para defender candidaturas para vagas em universidades internacionais, a exemplo de Harvard, Tufts, Boston, Minerva, Stanford, Washington, dentre outras. De forma geral, os jovens desejam seguir carreira como cientistas, após primeiros estímulos de professores do IFCE e/ou medalhas em competições nacionais e estrangeiras

Com O que Aprendemos ao Olharmos para o Céu, título do seu primeiro livro - à venda com o intuito de angariar recursos (em torno de R$2.500,00) para custear o processo de aplicação à universidade de Harvard, Maria de Sousa, 18, é uma das líderes do grupo que se formou digitalmente, desde março, em busca de aumentar as chances de ingressar em um college ou universidade fora do Brasil. 

A aluna do Técnico Integrado em Informática ressalta que percebeu que, diferentemente do Brasil, o processo de aplicação no exterior levaria em consideração todas as suas características e talentos, como capacidade de liderança, paixão e comprometimento pelo que faz. “Não é impossível.  Se eu receber minha aprovação, deixarei meu impacto positivo no mundo fazendo aquilo que amo: estudar o universo!”, vibra a jovem bolsista do CNPq.

Edmilson Rodrigues, 19, é aluno do curso Técnico Integrado em Química Industrial, assim como Yasmim de Medeiros e Enrico Marins, ambos de 18 anos. Ele fala que sempre sonhou em ser pesquisador e soube que precisaria imigrar, “pois a ciência infelizmente não é valorizada no meu país”. 

Yasmim ressalta a força do grupo virtual de discentes para  defender a sua candidatura numa universidade internacional e aposta: “Estudar fora abre um mar de possibilidades para crescer profissionalmente e como uma pessoa jovem. Em breve teremos as decisões da ciência, da política e das ações de preservação ambiental em nossas mãos. Quero estar pronta para ser aquela astronauta que o mundo merece ter”.

Enrico Marins, 18, lembra que na periferia vivenciou experiências desafiadoras e “choques de realidade até perceber que as oportunidades não chegam para todos”, critica. As dificuldades o inspiraram a desenvolver projetos em favor do acesso técnico e científico e a querer estudar fora. Ele espera ser o primeiro membro da família a conseguir se graduar no exterior.  “Pretendo fazer um Double Major em Ciências Políticas e Química”, antecipa o admirador de mulheres negras como Ângela Davis, Michelle Obama e Mae Carol Jemison.

Já Enzo Portela, 18, do Técnico Integrado em Mecânica Industrial, acredita que a sua geração é “a chave para colocar o nosso país nos trilhos; estudar nas melhores universidades do mundo permite entender como países desenvolvidos solucionam grandes problemas para se replicar no Brasil”.

O apoio dos professores do IFCE de Fortaleza foi e está sendo fundamental para o grupo de discentes. Dentre os destacados estão: Paulo William (Física), Christiane Bezerra (Biologia), Gilberto Abreu (História), Lucimar Maranhão (Química), Fábia Peixoto (Química), Andreyson Calixto (Educação Física) e Pedro Hermano (Química).

Destaque em eventos como a Olimpíada Brasileira de Astronomia - OBA, a Competição Internacional de Astronomia e Astrofísica - IACC; a Competição de Foguetes - MOBFOG, a Olimpíada de Biologia - OBB; a Olimpíada Brasileira de Robótica - OBR, concursos literários e experiências positivas de ativismo e atividades produtivas também contribuíram para a motivação dos estudantes.

Márlen Danúsia - campus de Fortaleza