Você está aqui: Página Inicial > Cedro > Notícias > Alunos ministram primeira aula em Libras

Notícias

Alunos ministram primeira aula em Libras

Atividade desperta professores em formação para a inclusão social
por Andressa Souza publicado: 03/12/2015 08h51 última modificação: 22/12/2015 14h52
Exibir carrossel de imagens Aulas em Libras serão realidade com a formação de professores aptos (Foto: Regivano Oliveira)

Aulas em Libras serão realidade com a formação de professores aptos (Foto: Regivano Oliveira)

A classe está silenciosa e os rostos dos estudantes, franzidos e compenetrados, todos prestando atenção. O observador desatento estranha: será que estão fazendo alguma prova? Não. Trata-se da primeira aula ministrada na Língua Brasileira de Sinais (Libras) por alunos licenciandos em Matemática do campus de Cedro do IFCE.

Saber Libras tornou-se dever dos professores desde 2005, quando a língua passou a configurar disciplina curricular obrigatória nos cursos de formação de docentes para potencializar a inclusão social de estudantes com deficiências auditivas. “O objetivo é que futuramente nós tenhamos professores licenciados nas suas áreas ensinando em Libras, com o professor falando na língua do aluno”, explica Raquece Cruz, docente responsável pela disciplina.

Divididos em equipes de três, nove estudantes ministraram suas primeiras aulas em Libras para cinco surdos atendidos pelo projeto de extensão Mãos que Incluem. Os conteúdos eram simples na área da Matemática: conjuntos, adição e formas geométricas. Contudo, passar conhecimento em uma outra língua provou ser um desafio.

Donizete Afonso confessa que chegou à frente da turma nervoso, “com frio na barriga”, mas que no fim, tudo correu bem. “Até porque eles [os alunos surdos] são bem inteligentes, entenderam rápido o assunto”, comenta. Seu colega de equipe, Moisés Alves, acrescenta que o primeiro contato que estão tendo com o idioma é durante a disciplina, diferentemente dos surdos que já são alfabetizados em Libras. Por isso, as aulas foram mais simples e objetivas. “A gente fez de um modo que todos entendessem: nós e eles”, explica.


Os estudantes-professores foram assistidos quatro alunos do curso de extensão de Técnicas de Tradução e Interpretação em Libras do campus Cedro.