Você está aqui: Página Inicial > Acaraú > Notícias > Realizado Encontro com quilombolas

Notícias

Realizado Encontro com quilombolas

Troca cultural

Evento mostrou a cultura do grupo e permitiu troca de experiências
por Edson Costa publicado: 04/04/2016 09h02 última modificação: 04/04/2016 09h08
Marcos Barros Apresentação de dança com jovens da comunidade

Apresentação de dança com jovens da comunidade

O campus de Acaraú do IFCE sediou, na tarde do dia 16 de março, Encontro com os remanescentes do Quilombo de Córrego dos Iús, comunidade situada no distrito acarauense de Aranaú. O evento, organizado pelo Núcleo de Estudos Afrobrasileiros e Indígenas (NEABI) da unidade, objetivou apresentar em linhas gerais à comunidade ifeceana a riqueza cultural dos quilombolas e permitir uma troca de experiências.

A programação contou com exposição sobre o processo de luta e reconhecimento da comunidade, com o representante do Córrego, Edvaldo Lourenço. Além disso, foram realizadas inúmeras apresentações culturais com danças como maculelê, puxado de rede e samba de roda. A apresentação foi feita pelos adolescentes e jovens da comunidade que fazem parte do projeto “Casa Pequena” pertencente ao grupo de capoeira “Menino Bom”, que conta com a coordenação do professor Tarciano, que se fez presente ao evento. Os quilombolas ainda tiveram a oportunidade de visitar as dependências do campus e ficarem por dentro das ações e serviços ofertados.

Para Edvaldo Lourenço, o evento revestiu-se de uma grande relevância por expor a cultura de seu povo. “Tivemos aqui a oportunidade de mostrar o que é nosso, nossa cultura, que nem sempre é devidamente respeitada e valorizada como deveria, foi uma oportunidade de mostrar o que viveram nossos ancestrais”, revelou.

Para o professor Emerson Melo, que faz parte do NEABI do campus de Acaraú, esse primeiro encontro realizado na unidade é o início de uma parceria com os remanescentes de quilombola. “Vamos buscar fortalecer cada vez mais essa parceria, integrando os quilombolas nas ações de estruturação e consolidação do NEABI, mostrando à nossa comunidade acadêmica a necessidade do respeito e valorização dessa cultura”, destacou.