Você está aqui: Página Inicial > Acaraú > Notícias > Debatida violência contra a mulher

Notícias

Debatida violência contra a mulher

Palestra debateu o tema e buscou conscientizar a respeito

Palestra sobre violência contra a mulher
por Edson Costa publicado: 14/03/2016 09h58, última modificação: 14/03/2016 10h12
Palestra foi prestigiada pela comunidade interna e convidados

Palestra foi prestigiada pela comunidade interna e convidados

Neste mês em que se comemora o Dia Internacional da Mulher, 8 de março, o campus de Acaraú do IFCE sediou, no dia 3 de março, uma palestra com o tema “A violência doméstica e familiar contra a mulher e a Lei Maria da Penha”, ministrada pela professora adjunta da Universidade Estadual do Ceará (Uece), Marinina Gruska, que faz parte do Núcleo de Apoio a Pessoas em Situação de Violência Doméstica e Familiar (NAVI).

Conforme a docente, o Brasil ocupa o 5º lugar no mundo entre os países que mais registram casos de violência contra a mulher, apresentando um número alto de feminicídio, além do assassinato moral e psicológico das vítimas.

Apesar desse quadro fatídico, a professora relatou avanços nas políticas em defesa da mulher, tendo o Brasil uma lei específica, a Lei 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, de combate à violência doméstica e familiar contra a mulher. Além disso, há canais de denúncia, como o disque 100 e órgãos sociais do Executivo.

Professora Marinina ainda discorreu que esta lei dispõe em seu artigo 7º que são formas de violência doméstica e familiar contra a mulher, entre outras: a violência física, a violência psicológica, a violência sexual, a violência patrimonial e a violência moral. A docente apontou que entre as causas dessas violências está o fato de ainda existir o machismo em nossa sociedade.

Para a psicóloga do campus, Gessyka Sousa, uma das articuladoras da palestra, o tema é relevante, pois “busca informar a população e alertar as mulheres sobre as formas de violência doméstica e familiar e a necessidade de denunciar os agressores para que o ciclo de violência se encerre antes de ocorrer o feminicídio”, destacou.